PRF diz que falta dinheiro para manutenção de viaturas

Após a Polícia Federal (PF) alegar falta de dinheiro para a impressão de passaportes, foi a vez da Polícia Rodoviária Federal (PRF) limitar, também por falta de recursos, a manutenção de suas viaturas em todo o país

A assessoria de imprensa da PRF argumentou que a limitação das manutenções se deve a um contingenciamento orçamentário.

Segundo a PRF, a administração do órgão promoveu “o replanejamento e readequação dos recursos financeiros existentes”.

“Nesse contexto, o Ordenador de Despesas da PRF estabeleceu novo fluxo para autorização de serviços de manutenção de viaturas elencadas como não essenciais, como serviços de lanternagem, pintura e estofagem”, diz a PRF, acrescentando que a autorização para tais serviços passará a ser controlada pela Gestão Nacional de Frota, que receberá e avaliará as solicitações a fim de gerenciar o saldo nacional de gastos.

“Destacamos que os serviços de manutenção preventiva, relacionados à segurança das viaturas, não sofreram qualquer tipo de restrição”, completou a assessoria.

Nesta segunda-feira (21) a Direção-Geral da PRF enviou um ofício às superintendências regionais no qual informou que, diante da falta de recursos, os serviços de manutenção em viaturas serão limitados. No documento, a Divisão de Frota afirma que todo serviço de manutenção considerado não essencial em qualquer veículo da PRF precisará ser aprovado pela Direção-Geral antes de ser feito.

A falta de recursos, na reta final do governo Bolsonaro não é algo exclusivo da PRF.

Na última sexta-feira (18), a Polícia Federal anunciou a suspensão da confecção de novos passaportes.

A medida, segundo o órgão, decorre da falta de orçamento para as atividades de controle migratório e emissão de documentos de viagem.

“O agendamento online do serviço e o atendimento nos postos da PF continuarão funcionando normalmente.

No entanto, não há previsão para entrega do passaporte solicitado enquanto não for normalizada a situação orçamentária”, afirmou a PF, em comunicado.

Ainda na sexta-feira (18), a colunista Bela Megale informou que ministros de Jair Bolsonaro passaram a descrever o governo, após a derrota para Lula, como “totalmente paralisado”.

A coluna ouviu chefes de três pastas. Todas relataram que o isolamento de Bolsonaro, que sempre foi centralizador no comando do Executivo, colocou todo o governo em modo de estagnação.

— Nada anda, o governo parou. E ainda falta mais de um mês de trabalho. O clima de velório não passa — resumiu um integrante da alta cúpula do governo, à coluna.

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  •  

    Editor:  MTB 735
    Contato: jornalismo@rededenoticias.net.br

  • ×