Remédios que devem faltar na Farmácia Popular devido a cortes do Governo; veja a lista

Pacientes que precisam de remédios para diabetes, hipertensão, osteoporose, parkinson e colesterol devem ser os mais atingidos pelos cortes que o Governo Federal vai promover no orçamento a Farmácia Popular para 2023.

Além do corte do orçamento de 100% da gratuidade, a parte do programa Farmácia Popular chamada de copagamento, em que o governo paga uma parte e o beneficiário a outra, também será atingida pelo corte de 60% entre 2022 e 2023.

Nessa modalidade, o governo paga até 90% do valor. A lista dos produtos com copagamento inclui fraldas geriátricas e medicamentos para osteoporose, rinite, Parkinson, glaucoma, dislipdemia e anticoncepção. Veja a lista:

  • Cloridrato de Metformina (Diabetes)
  • Glibenclamida (Diabetes)
  • Insulina Humana (diabetes)
  • Insulina Humana Regular (Diabetes)
  • Atenolol (Hipertensão)
  • Captopril (Hipertensão)
  • Cloridrato de Propranolol (Hipertensão)
  • Hidroclorotiazida (Hipertensão)
  • Losartana Potássica (Hipertensão)
  • Maleato de Enalapril (Hipertensão)
  • Acetato de Medroxiprogesterona (Anticoncepção)
  • Alendronato de Sódio (Osteoporose)
  • Budesonida (Rinite)
  • Carbidopa + levodopa (Doença de Parkinson)
  • Cloridrato de Benserazida + Levodopa (Doença de Parkinson)
  • Etinilestradiol + Levonorgestrel (Anticoncepção)
  • Maleato de Timolol (Glaucoma)
  • Noretisterona (Anticoncepção)
  • Sinvastatina (Colesterol)
  • Valerato de Estradiol + Enantato de Noretisterona (Anticoncepção)
  • Fraldas geriátricas

    Cortes no programa

    Em nota, o Ministério da Economia afirmou que os cortes são resultado da “enorme rigidez alocativa a que a União está subordinada, agravada pela necessidade de alocação de recursos para reserva de emendas de relator”, afirma, em referência ao orçamento secreto. O Ministério da Saúde não se manifestou.

Comentários

  1. …trem tá fei….enquanto isso candidatos a Senador pelo ES nadam em dinheiro. Magno Mata tem mais de 2 milhoes; musso, + de 2 mi e meio. Rose, 3 milhoes e meio

    1. De absurdos em absurdos, vamos nos absurdando

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  •  

    Editor:  MTB 735
    Contato: jornalismo@rededenoticias.net.br

  • ×