Sábado, 20 de Abril de 2024
°C °C

Encontro na UFES vai debater os 60 anos do golpe militar no Brasil

Milhares de pessoas foram torturadas e mortas durante o regime de exceção. Jornais foram fechados, universidades vigiadas e líderes de diversos segmentos foram perseguidos.

29/03/2024 às 09h06 Atualizada em 01/04/2024 às 06h53
Por: Redação
Compartilhe:
Foto Divulgação - Colóquio acontece na Universidade Federal do Espírito Santo
Foto Divulgação - Colóquio acontece na Universidade Federal do Espírito Santo

Três psicanalistas e dois professores vão debater aspectos do golpe militar de 64 durante um Colóquio, no dia 1° de Abril, na Universidade Federal do Espírito Santo. 

O evento é uma ferramenta para que a sociedade não esqueça e sempre questione o período de Ditadura implantado no Brasil entre 1964 e 1985. 

Nos 60 anos do golpe que levou generais ao poder, o Colóquio é uma parceria entre a Psicanálise & Cultura, a Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), a Escola Lacaniana de Psicanálise de Vitória e o Observatório de Direitos Humanos e Saúde (ODHES), 

De acordo com a organização do evento "a Anistia Geral e Irrestrita contribuiu para a não transmissão da verdade sobre este ato violento e suas consequências em nossa sociedade, que o vivenciou por 21 anos", alerta.

O Golpe

O golpe de Estado no Brasil em 1964 foi a deposição do presidente brasileiro João Goulart por um golpe militar de 31 de março a 1.º de abril de 1964, pondo fim à Quarta República (1946–1964) e iniciando a ditadura militar brasileira (1964–1985).

Teve início na forma de uma rebelião militar e foi seguido pela declaração de vacância da Presidência da República pelo Congresso Nacional, em 2 de abril, pela formação de uma junta militar (o Comando Supremo da Revolução) e pelo exílio do presidente, no dia 4.

Em seu lugar assumiu provisoriamente o presidente da Câmara dos Deputados, Ranieri Mazzilli, até a eleição pelo Congresso do general Humberto de Alencar Castelo Branco, um dos principais líderes do golpe.

Milhares de pessoas foram torturadas e mortas durante o regime de exceção. Jornais foram fechados, universidades vigiadas e líderes de diversos segmentos foram perseguidos.

Serviço 

Data: 1° de Abril

Local: Auditório do IC2, no Centro de Ciências Humanas e Naturais (CCHN), UFES.

Horário: 14h às 18h

Serão fornecidos certificados.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
°

Mín. ° Máx. °

° Sensação
km/h Vento
% Umidade
% (mm) Chance de chuva
21h00 Nascer do sol
21h00 Pôr do sol
Dom ° °
Seg ° °
Ter ° °
Qua ° °
Qui ° °
Atualizado às 21h00
Economia
Dólar
R$ 5,20 +0,00%
Euro
R$ 5,55 0,00%
Peso Argentino
R$ 0,01 -0,55%
Bitcoin
R$ 351,225,19 -1,09%
Ibovespa
125,124,30 pts 0.75%