Sábado, 24 de Fevereiro de 2024
°C °C

É o cérebro que nos obriga a comer açúcar e gordura, diz pesquisa

O cérebro estimula o estômago que, por sua vez, avisa ao cérebro que seria muito bom comer porcaria naquele momento

19/01/2024 às 10h23 Atualizada em 19/01/2024 às 11h30
Por: Redação
Compartilhe:
Foto Alexandre Damazio - Gordura é atrativo para o cérebro
Foto Alexandre Damazio - Gordura é atrativo para o cérebro

Estudo publicado na revista Cell Metabolism revelou parte da intricada rede neural que leva ao desejo por alimentos com gordura e açúcar.

O resultado é alarmante: a combinação desses caminhos desencadeia uma vontade excessiva de comer além do habitual.

Mas porque o cérebro nos ordena a comer alimentos que, ele próprio sabe, são uma bomba para a saúde?

"Compreender por que as gorduras e os açúcares são particularmente atraentes tem sido um enigma. As células da boca são um fator-chave", enfatizou, em comunicado, Guillaume de Lartigue, líder da equipe de pesquisa.

Foto Alexandre Damazio  - Chocolate contém a mistura perfeita para o cérebro 

 

"Descobrimos que vias distintas do intestino-cérebro são recrutadas por gorduras e açúcares, explicando porque aquele bolinho de aipim frito  pode ser tão irresistível", brinca.

Para o trabalho, os cientistas utilizaram tecnologia de ponta a fim de manipular diretamente neurônios destinados à detecção de gorduras ou de açúcares no sistema nervoso vago, demonstrando que os dois tipos de neurônios causam liberação de dopamina no centro de recompensa do cérebro, em ratos.

Duas vias dedicadas ao nervo vago foram identificadas: uma para gorduras e outra para açúcares. Esses circuitos, originados no intestino, transmitem ao cérebro informações sobre o que é ingerido, preparando o terreno para os desejos.

Diogo Haddad, neurologista e coordenador do Núcleo de Memória do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, frisa que o nervo vago desempenha um papel significativo na comunicação entre o intestino e o cérebro, um fenômeno frequentemente referido como o eixo intestino-cérebro.

"Ele transmite informações sobre o estado de plenitude e os nutrientes presentes no trato gastrointestinal para o cérebro. Além disso, está relacionado na modulação do apetite e na saciedade por meio da liberação de vários neurotransmissores e hormônios, como a grelina e a colecistoquinina.", relata o pesquisador. 

A equipe antecipa que essa linha de pesquisa oferece esperança para o desenvolvimento futuro de estratégias e tratamentos antiobesidade.

A capacidade de direcionar e regular os circuitos de recompensa intestino-cérebro pode representar uma abordagem inovadora para reduzir hábitos alimentares pouco saudáveis.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Sem foto
Sobre o município
Ver notícias
°

Mín. ° Máx. °

° Sensação
km/h Vento
% Umidade
% (mm) Chance de chuva
21h00 Nascer do sol
21h00 Pôr do sol
Dom ° °
Seg ° °
Ter ° °
Qua ° °
Qui ° °
Atualizado às 21h00
Economia
Dólar
R$ 5,00 0,00%
Euro
R$ 5,41 +0,13%
Peso Argentino
R$ 0,01 -0,59%
Bitcoin
R$ 273,175,41 +1,11%
Ibovespa
129,418,73 pts -0.63%